Emoções minimizadas

O minimalismo tem estado em alta nos últimos anos e pode trazer-nos muitos benefícios. Não só ao nível das posses materiais mas também no nosso espaço mental e emocional.

Este movimento fala-nos sobre a redução da quantidade desnecessária de posses e consumismo, mas também de qualidade de vida, pela liberdade que nos devolve um comportamento mais consciente.

No entanto, como qualquer outra ferramenta, necessita de ser usada com equilíbrio e da forma adequada.

E por vezes vejo uma forma de minimalismo que não traz benefício.

Há pouco tempo um cliente me contava como acabara de tomar consciência da aprendizagem que tinha feito sobre a necessidade de reduzir a expressão emocional. No fundo, para cuidar do bem estar dos seus, foi aprendendo a não expressar qualquer mal estar e se manter dentro do “estou bem, não se passa nada”.

O resultado disto, com o tempo, foi um sentimento de desconforto e uma ansiedade crescente com a simples perspectiva de mal estar ou mesmo de euforia.

Resumindo, o esforço não-consciente para se manter neutro trouxe-lhe um acréscimo considerável de ansiedade na sua vivência diária, mas também um certo sentimento de vazio na sua vida.

Dei-me conta que é mais comum do que parece e que, muitas vezes, outros clientes expressam o mesmo com uma linguagem diferente.

Em essência, tudo aquilo com que lutamos tem tendência a crescer. Este exemplo é uma das formas de expressão desta realidade.

O que fazer então?

Face ao desconforto, respire. Click To Tweet

Respire e relaxe. E então aproveite o impulso para criar a realidade que pretende.

Publicado por Sofia Morgado

Psicóloga, hipnoterapeuta, formadora e facilitadora de grupos de ajuda, assim como de workshops, trabalho com a consciência e escrevo sobre desenvolvimento pessoal e relações intra e interpessoais.

Comentários

Sem comentários

Deixar uma resposta