Menu Fechar

O método KonMari

Desde que Marie Kondo lançou o livro Arrume a casa, Arrume a sua vida que o método KonMari tem feito sucesso para ajudar muita gente a deixar os seus espaços em ordem.

No entanto os princípios deste método podem ser aplicados também ao nosso espaço mental e ajudar a pôr a nossa vida em ordem.

Fazer um único destralhe

A autora defende a necessidade de fazer um único destralhe do espaço seguindo este método, em vez das arrumações e organizações constantes ao longo da vida.

Diria que aplicando estes princípios ao nosso espaço interior será provável que aconteça também dessa forma. Pois ao criarmos novos hábitos e fazermos novas aprendizagens, evitamos o acúmulo de tralha na nossa mente. Considerando tralha como tudo aquilo que não nos serve ou benefícia e ainda estorva na vivência do dia-a-dia, conseguimos encaixar nesta categoria determinadas crenças, memórias ou mesmo comportamentos.

Organizar por categoria

No método KonMari os pertences são avaliados por categoria em vez de por local da casa.

Muitas vezes procuramos resolver determinada situação e ao resolvê-la percebemos que o mesmo volta acontecer em novas circunstâncias.

Mas quando resolvemos o que tem sido comum às diversas situações, estamos a prevenir que volte a acontecer daquela forma. Resolvemos o padrão ao darmos atenção ao assunto por categoria e não por situação.

Contribui para a minha felicidade?

A ideia chave proposta por Marie Kondo é a pergunta Does this spark joy? que, traduzindo livremente, será algo como Isto traz-me alegria?

Ela propõe que faça esta pergunta ao pegar em cada artigo que vai avaliar se fica ou sai do seu espaço. E quanto àqueles artigos que são neutros, mas de extrema utilidade, eles podem trazer-nos alegria por facilitar a nossa vida.

Proponho que experimente fazer o mesmo com cada pensamento que surge e cada memória que guarda. Avalie cada um, perguntando-se:

Isto contribui para a minha felicidade?

Desapegar daquilo que não uso ou realizou

Da mesma forma que a autora sugere que se desapegue dos livros que nunca leu, seria útil desapegar de sonhos e objetivos não realizados. Aqueles que mantém apenas porque os estabeleceu um dia.

Se já não lhe fazem sentido por não terem a ver com a pessoa que é hoje, e apenas trazem uma sensação de peso pela sua não realização, porquê mantê-los?

Abrir mão do conforto aparente

Neste ponto, o método propõe que se desfaça das roupas de andar por casa. Aquelas que já não estão em condições ou gosta tanto assim, mas ainda servem para andar por casa. A autora sugere que, mesmo em casa, use aquilo que lhe traz felicidade.

Aquelas coisas na sua vida que são meh, que não considera tão agradáveis assim, mas que mantém porque se acostumou a elas… Pensamentos, crenças, memórias… avalie da mesma forma.

Isto traz-me alegria?

Não guardar no armazém

Deixe mesmo ir aquilo que considera como tralha e não contribui para a sua felicidade. Manter porque lhe pode vir a ser útil ou para não esquecer o que aconteceu no passado, é ocupar espaço desnecessariamente.

Não é necessário adquirir organizadores

Em casa, não precisa de comprar mais prateleiras e caixas para organizar aquilo que escolheu para ficar. Pode usar aquilo que tem.

Pensando na quantidade de vezes que deixamos para resolver e arrumar assuntos na nossa mente para quando o momento for adequado, quando tivermos algo que julgamos essencial para o fazer, esta dica pode ser-nos muito útil.

O momento ideial nunca irá surgir.

Use os recursos e circunstâncias que tem disponíveis no momento para o fazer acontecer.

Deixar tudo visível em vez de empilhar

Marie Kondo sugere que, ao organizar o fica, deixe tudo dobrado na vertical dentro de gavetas e prateleiras. Assim fica tudo visível. E não só usará mais vezes todos aqueles artigos, como também lhe trará mais felicidade vê-los mais vezes.

Se há algo que lhe traz felicidade, faça por o lembrar mais vezes, mantendo-o visível na sua mente. Poderá até recorrer a lembretes no espaço em volta.

Trate igualmente das peças mais pequenas

Esta regra não serve apenas para as meias não ficarem enroladas na gaveta. Trate bem dos mais pequenos detalhes que o fazem feliz.

Arrume sempre aquilo que usa diariamente

Porque todos os dias acumulamos. A todo o momento pensamos. Cuide diariamente do seu espaço interior.

Organizar na sequência

A autora sugere que siga uma determina sequência ao lidar com os seus pertences. Sugere que comece pelas roupas e calçado, em vez de começar com as memórias (como fotografias, cartas). Assim será mais fácil avançar do destralhe e arrumação.

Por vezes queremos resolver situações que não podem ser resolvidas enquanto não dermos atenção a algo que fica mais atrás na sequência. Ou seja, Queremos resolver aquele problema, mas não damos atenção em primeiro lugar àquilo que realmente é o problema e está na base daquela situação.

Encontre a sequêncie e siga-a.

Seja grato pelo que já não lhe serve

Aquilo que está a descartar pode não lhe ser útil ou trazer felicidade hoje. Mas já lhe serviu.

Marie Kondo sugere que agradeça aos artigos que está a libertar pela alegria ou utilidades que já tiveram para si.

Mesmo aquelas coisas (ou situações) que trouxeram desconforto, já lhe serviram de alguma forma. Podem até ter-lhe ensinado sobre aquilo que não combina consigo, mas serviu para algo.

Pode sentir-se grato por tê-lo percebido.

Experimente usar o método KonMari na sua vida, seguindo estas ideias e, lhe garanto, tudo será mais fácil.

Deixe o seu comentário abaixo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *