Menu Fechar

Pensamentos

Brilhe ou não lá fora, faça o sol brilhar dentro de si.

À semelhança do que se passa no mundo lá fora, também dentro de si brilha um sol. Um sol magnífico, esplendoroso, cheio de energia e calor para irradiar.

O sol lá fora, quando surge com mais força, é fonte de energia, força, motivação para sair, se expressar, comunicar, fazer. Quando o tempo está mais escuro, mais facilmente se instalam as depressões e pode haver menos motivação e força de vontade.

O sol interior também traz esta força, energia e motivação. É o fogo que nos leva a sair, interagir, fazer, dançar, cantar, sorrir. Aí reside um enorme potencial, residem, entre outros recursos, a segurança, a tranquilidade e o bem estar. Mas tal como lá fora, por vezes as nuvens mais densas não deixam ver a sua luz.

Cá dentro, tal como lá fora, as nuvens ameaçam chuvas e tempestades, umas mais, outras menos. As nuvens internas são os pensamentos e eles estão sempre lá, quase companheiras fiéis do céu azul tranquilo. No entanto, estas nuvens podem ser como aquelas lá fora, nuvens brancas e fofas que compõem qualquer cenário, dando-lhe um toque final de beleza, harmonia e equilíbrio, ou podem ser como aquelas nuvens mais densas e escuras, que deixam tudo imerso em escuridão.

Os pensamentos estão sempre presentes, mas que tipo de pensamentos?

Daqueles que dão luz e cor ao estado de equilíbrio natural (que lhe é intrínseco) ou daqueles que ensombram e assombram o seu bem-estar?

Se os seus pensamentos andam nesta segunda categoria, muito provavelmente estará a experimentar o seu inverno interior e está tudo bem se assim for. É importante saber que este não é um traço ou característica da sua personalidade, mas um estado em que se encontra. E como todos os outros, este também é útil e necessário.

O inverno, lá fora ou cá dentro, permite-nos colocar as ideias em ordem, processar informações e acontecimentos, levando-nos ao recolhimento e inacção para que a força e energia que se manifestam no momento sejam canalizadas para esses processos internos. Por vezes, este processo dura mais tempo do que desejaríamos, podemos embrenhar-nos nele de tal forma que nos pode parecer difícil encontrar a porta de saída. Este processo é idêntico à morte e transformação interior.

Geralmente daí vêm novos conhecimentos, perspectivas e aprendizagens, por vezes mais subtis, por vezes mais marcantes, levando ao renascimento. O nascimento de um novo eu. Este é o surgimento da Fénix, a ave que renasce das suas próprias cinzas. E sempre que renasce, surge mais forte. Esta força vem das novas perspectivas e aprendizagens, de uma nova luz interior. E o sol volta a brilhar.

Para deixar o sol brilhar, deverá segurar as rédeas destes processos internos, mergulhando e emergindo sempre que queira ou necessite, mas sem perder o pé, sem deixar que os pensamentos o governem a si.

Como fazê-lo? Existem muitas formas de o fazer, muitas tácticas para recuperar o controlo interior, o controlo da sua vida; uma delas será a sua, terá de encontrá-la.

Deixo-lhe aqui um desses exercícios. Imagine apenas…

O lago interior

Se preferir ouvir o texto abaixo, clique no play da caixa abaixo e permita-se desfrutar do conforto da sua cadeira por 5 minutos:

Imagine um lago cujas águas se agitam com o impacto daquilo que acontece à sua volta, como se pequenas pedras fossem atiradas nas suas águas. A partir da zona de impacto da pedra na água, formam-se pequenas ondas concêntricas que, como uma onda de energia, se vão espalhando pelas águas da superfície desse lago, até chegar às suas margens.

Com o tempo, essa energia vai-se dissipando, diminuindo de intensidade. E, naturalmente, as águas tornam-se de novo serenas, tranquilas. E quando estas águas estão tranquilas, elas formam um espelho perfeito, reflectindo de forma clara e fidedigna a tranquilidade do céu azul acima delas e o sol radiante.

Assim acontece com o seu lago interior, que se agita com as pedras que recebe nas suas águas. E estas pedras podem ser situações, acontecimentos ou mesmo pensamentos. Quantas vezes um só pensamento é o suficiente para agitar essas águas?

Quando essas águas se agitam, ficando até revoltas, a agitação interior é tal que não permite um pensamento claro, lúcido ou tranquilo. A partir da zona de impacto geram-se ondas que se vão propagando por toda a superfície do lago e fica muito difícil reflectir a tranquilidade do céu azul ou a luz do sol interior. Pelo contrário, o reflexo vai ser também ele agitado, refletindo essa agitação interior.

Com o passar do tempo, a intensidade da agitação dessas ondas vai diminuindo até se dissipar por completo. Não só o passar do tempo o faz, como também cada momento, como este, em que se permite relaxar, cada momento em que escolha fazer algo que realmente goste de fazer, em cada passeio consigo mesmo, em cada momento em que desfruta o presente, estando e sendo o momento.

Então, as águas desse lago ficam novamente tranquilas, pois esse é o seu estado natural, um estado de equilíbrio, de tranquilidade, serenidade. E tranquilas, elas reflectem, naturalmente, a tranquilidade do céu azul, um céu azul em que as nuvens continuam a passar, lá à distância, tranquilamente. E à distância, sendo observadas, elas não podem perturbar as águas desse lago. Reflectem ainda a luz do sol interior, um sol radioso e radiante, onde residem imensos recursos e capacidades que irradiam com a sua luz.

E quando as águas deste lago reflectem, tranquilamente, esta luz, ela irradia a partir de dentro e flui através da sua forma de ser e estar, por toda a sua linguagem verbal e não verbal. Deixe que a serenidade dessas águas flua através de si, preenchendo e envolvendo cada célula, cada molécula, até à mais ínfima parte do seu ser.

Brilhe ou não lá fora, faça o sol brilhar dentro de si.

Deixe o seu comentário abaixo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *